O que é uma estrutura horizontal de gestão e atuação?

A gestão eficiente é um dos pilares para o crescimento de qualquer negócio. Nesse sentido, podemos citar duas possibilidades de estruturação corporativa: a gestão vertical e a gestão horizontal. É sobre essa segunda que iremos falar.

A estrutura horizontal permite que os colaboradores tenham maior autonomia dentro da empresa, enquanto a vertical segue uma hierarquia bem definida. Porém, por ser pouco moldável não desenvolve plenamente seu time.

Como funciona a gestão horizontal?

Esse método organizacional não estabelece relações de poder, ou seja, permite que todos participem das decisões estratégicas para a empresa. Dessa forma, os colaboradores possuem voz ativa e autonomia sobre seu trabalho.

O centro que movimenta o negócio nessa modalidade são as pessoas e suas capacidades de desenvolvimento em grupo, mais do que o que cada um pode oferecer individualmente.

Novas práticas e inovação

Sem a hierarquia como protagonista, a estrutura organizacional é feita baseada na divisão das responsabilidades e na autonomia das áreas e de seus especialistas. Cargos de chefia e gerência não fazem mais sentido nesse método. Porém, colaboradores são donos de processos e de atividades específicas.

Além disso, podemos citar a flexibilidade de operações e uma maior comunicação entre as áreas da empresa como benefícios da gestão horizontal. Uma visão dinâmica e democrática se estabelece na rotina da empresa, tornando o fluxo de trabalho mais interessante.

Por que aplicar a estrutura horizontal de gestão na sua empresa?

Todo gestor que deseja se manter competitivo deve procurar práticas inovadoras para o negócio em que atua. Dentro desse processo, transformar a cultura organizacional tradicional é um caminho eficiente.

A organização que adota o modelo horizontal está escolhendo automaticamente processos mais participativos, igualitários e, consequentemente, mais leves e produtivos.

Além de colaboradores mais felizes e satisfeitos, outro grande benefício desse modelo é a redução de custos, visto que o time tem oportunidade de desenvolver outros talentos, antes destinadas aos gerentes.